quarta-feira, 4 de março de 2009

Programas de índio

'Programa de índio’ designa atividade ou entretenimento chato, sem graça, aborrecido, lembrando a indolência que grassa nas aldeias, principalmente em dias de calor, quando não há o que fazer a não ser render-se à preguiça.” (Deonísio da Silva)

Confesso que, diante dos programas do mundo moderno, os verdadeiros programas indígenas, que consistiam em ficar mosqueando de preguiça no meio da mata são infinitamente mais legais!
Quem nunca foi convidado e participou de um programa de índio, que atire a primeira flecha!
Existe uma infinidade deles e, para piorar, o que é programa de índio pra uns pode ser um programa muito legal para outros, o que gera uma eterna discórdia.
Vou tentar aqui descrever alguns. Sei que vou deixar vários deles para trás, mas aceito sugestões:

CHÁ DE BEBÊ: Consiste em uma vingança das amigas por não ter participado do melhor da festa: a concepção do bebê. Então todas se divertem ridicularizando a coitada da mãe e aplicando castigos pra lá de constrangedores, como rebolar na boquinha da garrafa, pedir camisinha em boteco, se lambuzar de baton, essas coisas. Vem acompanhado de um convitinho fofo pedindo sempre um pacote de fraldas (algumas futuras-mamães abusadas exigem fralda Pampers, que é caaaara) e de um outro presentinho para o futuro rebento (de chupetas a mamadeiras). A festa resume-se em uma corja de mulheres fofocando sobre pimpolhos, maridos, enjôos e “como prevenir estrias”, bem como na estrela da festa, a barriguda, é claro, que invariavelmente passará mal com a enorme quantidade de salgadinhos, refris e histerias.

ASSISTIR A FILMAGEM E/OU ÁLBUM DE CASAMENTO: Geralmente você é submetido a ver o vídeo e o álbum juntos. E sempre é a mesma coisa. Uma mulher de branco, um cara de fraque e um monte de gente brega com vestidos longos e coloridos e ternos apertados. Todo mundo fica absurdamente feio nessas ocasiões, porque geralmente o cinegrafista/fotógrafo não trabalha na Globo, e deixa todos com a cara brilhando ou com aquela cor azulada/esverdeada. No meio da filmagem sempre tem a tia gorda que cai, o cunhado beberrão, o padrinho engraçadinho que faz piadinha e as crianças correndo na festa. É nessa hora que você, convidado a assistir, dorme no sofá novo da sala do casal assistindo ao torturante filminho.

FESTA DE FINAL DE ANO DA EMPRESA: Sempre tem um amigo-secreto do qual você sai insatisfeito com seu presente ruim (sendo que você deu um bem melhor). Sempre tem alguém que bebe um pouco além da conta e banca o engraçadinho ou cafajeste. Sempre tem o chefe com aquela cara de “olha essa pobraiada, não podem ver comida nem bebida mesmo!”. É claro que rola os discursos semi-eternos do indivíduo de como você pode se dar bem se colaborar com o crescimento da empresa, como também ladainhas na hora de revelar o amigo-secreto. Tudo balela que acaba no próximo dia útil.

DESPEDIDA DE SOLTEIRA: chá-de-cozinha, chá-bar, ou qualquer nome criado para as mulheres para a festinha que estas inventaram para se vingar da famosa “despedida de solteirO”. Nunca fui em uma despedida de solteiro (até porque sou calcinha e não sou prostituta, gogogirl ou stripper, né?) mas me parece que a versão masculina é bem mais interessante... O tal chá-de-cozinha é praticamente um chá de bebê, só que um pouquinho mais pesado, porque a noiva recebe presentes tais como calcinhas comestíveis, vibradores e outras esquisitices de sex shop, além, é claro, das panelas, talheres e utensílios domésticos para seu novo lar. Acrescenta-se a isso bebidinhas alcoólicas consumidas pelas moçoilas e uma propensão a falar besteira... Mas fica só nisso mesmo. No dia seguinte, um bando de mulher ressaquiada e uma noivinha desconfiada da despedida de solteiro do futuro marido.

PROGRAMAS QUE CONTENHAM MÚSICA: Calma, adoro música e também adoro programas musicais. E praticamente todos os programas têm música, certo? O problema é o teor da música tocada. Quando te convidarem para algum programa, preste muita atenção no tipão de quem convida e especule sobre que tipo de música vai tocar lá. Com certeza, com essa perguntinha você já matará a charada sobre o tipo de pessoas que você vai encontrar, sobre o naipe do lugar, a hora que a festa acaba etc.
Os programas musicais são ótimos. Mas só serão ótimos se tocarem a música que VOCÊ gosta. Caso contrário, meu caro, programa de índio master na certa!!!
Tente convidar um pagodeiro para ir num show de hardcore, um MPBista pra um baile funk, um cowboy para uma rave, um nerd para uma micareta! Tortura na certa!
Nesse quesito não existe quem tem razão, gosto não se discute, certo?
É cada um no seu quadrado mesmo.

FESTA DE ANIVERSÁRIO DE CRIANÇA: Se você é pai, mãe, ou amigo(a) de algum deles, com certeza já foi em várias. Pode até ter gente que me fale que adoooora crianças, mas duvido que adore um monte delas, um bando incontrolável, pulando, gritando, chutando, brigando, derrubando bolo e coxinha pra tudo que é lado, ao som de músicas de criança (que, de Xuxa a High School Musical, é sempre uma chatice). Tem seu lado bom: a comida. Vá e devore todos os salgadinhos, pipocas, algodões doces e cachorros-quentes possíveis em um minuto e saia à francesa.

VELÓRIO: Tá, eu sei, é triste, triste demais. Todo mundo morre, eu também vou morrer e EXIJO que vá uma galera no meu. Tirando quem está lá porque sofre de verdade com a morte do defunto (redundante?) os outros participantes que foram lá, só pra fazer um “social”, se encontram no mais puro programa de índio. Não tem música, não tem goró e sempre tem alguns do lado de fora fazendo piadinha (piadinha velha, quase sempre).

ENCONTROS DE UMA RELIGIÃO DA QUAL VOCÊ NÃO PERTENCE: Não vou aqui falar mal de religião nenhuma, jamais. Mas todo mundo tem um amigo evangélico, budista, seicho-no-ie, espírita, rosa-cruz, macumbeiro, católico etc., que já tentou te convencer que a religião dele é o único caminho para a salvação e te arrastou pra celebração religiosa dele. Quase sempre é uma cilada. Quase sempre o celebrante fala um monte de coisas que você não entende e quase sempre você fica morrendo de vergonha porque não conhece os “trâmites” do tal lugar. Se você for convertido, amém. Se não, é programa de índio na certa!
Angel

3 comentários:

Alessandro Santos disse...

puts... ninguem merece filmagem de casamento... e tem gente que obriga a gente a ver essas coisas hahaha

Heaven, I´m in Heaven! disse...

Tá vendo como sempre surge um programa de índio a mais? Eu descrevi só alguns, mas programa de índio dá em árvore!!! Ontem mesmo eu fui convidada pra um...assistir a um DVD com as fotos (as 1200 fotos!!!) da viagem do meu primo pra Floripa...eu diria que é como filme pornô: muito gostoso pra quem participou mas muito chato pra quem tá assistindo!!!
(Angel)

Lucas Lira disse...

Já participei de muitas missas apesar de ser agnóstico e não gostar do que estava ouvindo... ¬¬
Fui visitar um terreiro de Camdomlé, mas por que tive curiosidade de saber como era lá...
Adorei o post!
kkkkk