quinta-feira, 8 de julho de 2010

Revistas Femininas

Mesmo que você seja um cueca e não seja afeto às tais revistas femininas, com certeza já se deparou com alguma capa delas em alguma fila de supermercado.

Se você é uma calcinha e faz coleção, assinatura ou compra de vez em quando alguma destas edições, lamento informar: você está sendo enganada!

Primeiro, há que se fazer uma descrição, em linhas gerais, do conteúdo dessas tais revistas: todas, meu bem, TODAS se baseiam em uma tríade: MODA-BELEZA-SEXO.

Inevitavelmente e há muitos e muitos anos, nossas avós, nossas mães, nossas tias, nossas filhas, todo mundo vem sendo enganada por essas publicações maldosas que tentam vender em algumas páginas uma realidade da qual você jamais vai pertencer! JAMAIS!

A começar pela capa: sempre uma modelo linda ou a celebridade da vez, não menos linda, sorrindo ou fazendo carão, numa foto estonteante e devidamente photoshopada que diz que você, pobre leitora, jamais vai ser assim. As manchetes, por sua vez, são tão ou mais mentirosas do que a foto: “EMAGREÇA 5 KG EM UM MÊS COM A DIETA DO CHÁ COR-DE-ROSA”, “COMO ENLOUQUECER SEU HOMEM NA CAMA EM 246 DICAS”, “HORÓSCOPO INCA DO AMOR”, “A MAQUIAGEM QUE EMAGRECE”, e outras tantas bobagens e mentiras pra enganar otária.

O recheio, além de uma profusão imensa de propagandas de produtos que não são pro seu bico, mente descaradamente também. As moças que aparecem nas edições são altas, magras e com cara de que nunca tiveram TPM ou problemas com o pedreiro que não termina a reforma, e o pouco conteúdo que apresenta é repetitivo, pouco informativo e vazio, dando a impressão de que mulher é tudo burra mesmo pra ler aquilo e tomar como verdade, e que as jornalistas que trabalham nessas empresas fizeram faculdade pelo correio.

Quem lê revista feminina há um tempo percebe que os assuntos volta e meia são “reciclados”, ou seja, ninguém se dá ao trabalho de pesquisar alguma coisa nova pra apresentar pras incautas que pagam o caro preço da revistinha (porque custam caro sim). Pode procurar... Se em abril de 2004 o assunto da vez era “as preliminares que os homens adoram e não confessam”, em janeiro de 2010 o assunto será “o segredo das preliminares revelado por eles”... e por aí vai. E os três pilares da revista se apresentam sempre assim:

MODA – Sempre elegem uma cor como o coringa da estação. Ora o “cinza é o novo preto”... ora “o rosa é o novo bege”. Em geral as roupas são ridículas, impossíveis de usar por quem usa um manequim acima do 34, e impressionantemente caras! Tentam enfiar na sua cabecinha que você não pode viver sem um xale de lã florido ou uma bolsa de paetê rosa fluorescente, para, no mês seguinte, mudarem totalmente de idéia e entrar na seção “certo e errado”. Sim, cara leitora de revista, as roupas, bolsas e sapatos mudam de seção em pouco tempo. A anorexia das modelos e o preço do que elas usam tornam aquilo ainda mais impossível.

BELEZA – Aí você pensa: bom, vou levar em conta as dicas de beleza, emagrecer, ficar linda e me ralar de trabalhar para usar os modelitos da seção moda, ok? Ledo engano. Os cosméticos da sessão beleza custam o equivalente a um salário seu, tem creme até pra lateral da unha do dedão do pé e se você ousar comprar tudo o que recomendam certamente vai à bancarrota. As infalíveis dicas pra emagrecer são completamente fora da realidade, sendo que todas têm como carro-chefe um chá, um suco ou uma sopa, e a manchete da capa tenta te fazer acreditar que é só tomar aquilo que vai emagrecer horrores. Se prepare que seguido da dica do chazinho, vem uma dieta de fome e uma série de exercícios de atleta para a triste leitora seguir. Ou seja, se era pra fazer isso, não precisava tomar o chá amargo, certo? Ah, sem contar que mais uma vez querem levar seu dinheirinho, porque as poucas comidas descritas na dieta são as mais caras existentes e impossíveis de achar no supermercado que você, pobretona, freqüenta.

SEXO – Essa é a sessão mais engraçada da revista, sem dúvida. Dicas ridículas para agradar o ser cueca, mas que eu tenho certeza que fazem o coitado rolar de rir. Primeiramente, essas revistas tentam vender a você, dona de casa casada há 20 anos, que seu casamento de merda será devidamente salvo se você simplesmente aparecer na frente do seu marido, na hora que ele estiver assistindo o jogo na TV, nua, com um leque na mão e orelhinhas de coelha. Ou que você ligue para seu namorado no meio do expediente para contar detalhadamente todas as traquitanas eróticas que você comprou no sex shop (mesmo se ele estiver no meio de uma reunião importante). Aliás, itens de sex shop, tão aclamados pelas revistas femininas, são um caso à parte: dadinhos ou baralhos do prazer, que vocês jogam pra saber o que vão fazer e onde (se alguém alguma vez se lembrou de jogar dadinho ou baralho “naquele momento”, desculpa, mas é um prego na cama!), vibradores de plumas, paetês, com luz néon, em formato de coração, batom, concha ou shrek (se seu par curte um vibrador, lamento, esse galo bota ovo), a inclusão de comidas (literalmente) no meio da transa, e não o básico chantilly, mas sushi, banana, ostras, etc (argh, que nojo) e demais impossibilidades eróticas que transformam qualquer mãe de família acima do peso em um ser ridículo e fantasiado, e nada sexy.
 
Vire essa página, colega e não percam a próxima edição.

Angel

Um comentário:

Shisuii disse...

Como quase toda a mídia...

Benvindos a sociedade do espetáculo!

Shisuii