quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Pernilongo : salvem-se quem puder!

Nunca pensei que neste um ano e pouco escrevendo pro blog iria me deparar com um tema tão besta: mosquitos pernilongos. Mas justifico-me. Apesar de parecer bobo e beirar à absoluta falta de assunto, os ZZZZZ, ou, vulgarmente conhecidos como pernilongos, estão fazendo parte da minha vida intensamente.
Todo mundo sabe que pernilongo fode a vida da gente. E ninguém sabe pra que diabos eles servem. Que função social tem uma criatura que só serve pra chupar o sangue alheio e sequer tem o charme pálido dos vampiros do cinema? (vide Brad Pitt e Tom Cruise em “Entrevista com o Vampiro”, ou, pras mais novinhas, Edward Cullen em “Crepúsculo”).
Pois bem. Há um mês atrás, frise-se UM MÊS ATRÁS, comemorei com amigos dazantiga um aniversário em um sítio situado (redundante?) em um lugar no meio do nada, cercado de mato por todos os lados. Bom demais, até porque não tinha vizinho pra reclamar do barulho, a cerveja trincava de tão gelada e a lei anti-fumo não entrava lá nem a pau, juvenal. Maaaas, como tudo tem seu lado ruim, os pernilongos que moravam nas redondezas logo perceberam que as pernas dos que lá estavam constituíam-se em uma fonte infindável para tomar o seu pilequinho...e, o que é melhor, de graça!
Aposto que teve pernilongo que saiu de lá mais mamado que o Lula em dia de festa junina. E devem estar até hoje esperando mais ansiosos que a gente pela próxima festa.
Conforme eu disse acima, já faz um mês que fui na tal festa. Mas as marcas deixadas pelos insetinhos ainda não abandonaram o corpinho desta que vos escreve. Mais difícil de sumir do que chupada no pescoço de moça comprometida!
No começo foi só uma coceirinha, gostosinha até. Daí pra coceira se tornar insuportável foram minutos. Pelotas avermelhadas começaram a surgir por entre a brancura cândida dos meus membros inferiores, que depois se transformaram em feridas, que criaram casquinha, que sangraram, que coçaram mais ainda, e por aí vai. Hoje em dia minhas pernas estão parecendo aquelas estradas vicinais esburacadas que aparecem no Jornal Nacional. E já faz UM MÊS!
Já ouvi todo o tipo de dica e até simpatia pra curar as crateras deixadas pelos chupadores de sangue. Nada funcionou. Nos dias mais calorentos, quando me atrevo a colocar um short, sempre tem alguém pra arregalar os olhos e dizer: “noooooossa, o que você fez na perna?!?!?”. Cansada de repetir a mesma ladainha, falta pouco pra eu falar que, em um dia tedioso, resolvi furar as pernas com caneca Bic pra ver como ficava.
Mas não, me resigno. Faz um mês que não uso saia. Não que saias sejam os itens mais usados do meu guarda-roupa, mas parece que justamente neste último mês as únicas roupas que eu tenho vontade de usar são os meus vestidos e saias proibidos. E me coço. Como me coço!
Agora o jeito é esperar isso cicatrizar de vez. Juro que na próxima festa em um ambiente rural que eu for convidada vou me lembrar de ir coberta com uma burka. E de galochas, só pra garantir.

Angels
***
Angels, querida:

É possível viver no mais perfeito equilíbrio com todos os seres criados por Deus. Basta ter boa vontade, bom coração e paciência para aprender a lição que a Mãe Natureza ensina: Use Detefon!
É o fim da picada!

Balzak

2 comentários:

Shisuii disse...

Ou Off! Ou Mafú, com uma bombinha Guarany...

Meu sonho de consumo éum lança chamas... só pra pernilongos...

Shisuii

marcos disse...

OLHA SO TIVE O MESMO PROBLEMA QUE VC FIQUEI UM MÊS COM ESSAS MARCAS SO QUE AI ME DISSERAM UMA COISA QUE FOI MUITO UTIL., ME DISSERAM PRAR ORAR O PAI NOSSO NA HORA QUE EU ESTIVESSE NO BANHO POR 7 DIAS E FUNCIONOU SECOU TUDO GRAÇAS A DEUS